55% das mulheres roraimenses preferem renda fixa

Mesmo diante do ciclo de queda da taxa básica de juros (Selic), iniciado em agosto de 2023, as mulheres permanecem fiéis a investimentos conservadores. A maioria das roraimenses, 55%, aposta na renda fixa. É o que mostra um levantamento realizado pelo Santander Brasil com dados de 2022 e 2023 com clientes da instituição.

Segundo o estudo do Santander, houve um recuo de seis pontos percentuais entre as roraimenses, neste período, no patamar aplicado em Certificados de Depósitos Bancários (CDB), Letras de Crédito do Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), títulos do Tesouro Direto e até na poupança. A renda fixa, que engloba essas modalidades de investimento, passou de 61% em 2022 para 55% em 2023.

- Publicidade -

“Os dados mostram que as mulheres são mais disciplinadas em suas aplicações e, mesmo em anos desafiadores como o ano passado e o anterior, elas mostraram persistência”, diz Luciane Effting, executiva responsável pelo Santander AAA.

Em relação a outras modalidades de investimento, destacam-se entre as principais nas apostas das roraimenses a previdência, com 31%, e os fundos, 11%. A renda variável, que engloba opções mais ousadas, teve 1% da carteira do Santander no estado em 2023.

Compartilhe este artigo
Segue:
Jornalista há mais de 20 anos, com experiência em redação, em diversas editorias, assessoria de imprensa, produção de conteúdo, produção e apresentação de podcast e comentarista em canal independente no YouTube