Produção audiovisual “Sukata” mostra como a consciência ecológica pode ajudar a evitar tragédias ambientais.

As tragédias ambientais, infelizmente, tem se tornado pautas constantes nos noticiários, o aquecimento global é uma realidade, e os recentes acontecimentos no Rio Grande do Sul pedem mudanças de atitudes. A consciência ambiental se mostra cada vez mais urgente.

No caso das enchentes, é necessária a criação de soluções que já estão sendo usadas em outros países como:  Telhados verdes, cidades-esponja, diques extensos, túneis e reservatórios subterrâneos, são alguns exemplos que podem ser usados em Porto Alegre e em outras cidades brasileiras.

- Publicidade -

A educação ambiental traz a consciência em relação ao lixo acumulado,  que prejudica ainda mais uma situação calamitosa. O descarte aleatório de lixo, sem a possibilidade da reciclagem, também piora o cenário catastrófico.

A mudança de hábito da população com relação ao descarte de lixo se faz fundamental.

Com esse pensamento e com essa missão, a produtora independente paulistana, Batom Produções, liderada pela atriz, roteirista e diretora Alexia Annes, acaba de finalizar as filmagens  da sua mais recente produção original, “Sukata o Musical – a série”.

O objetivo desse projeto é a conscientização de jovens em prol do meio ambiente de uma forma descontraída e animada, utilizando a música como ferramenta para despertar a consciência de um estilo de vida mais sustentável.

O musical revela as histórias de três atendentes da doceria Delivery Pekatu, sob o comando da personagem Cláudia interpretada por Giulia Savi.

- Publicidade -

As “suketes” enfrentam o desprezo de Cláudia perante as questões da sociedade e do meio ambiente, mas seguem unidas em busca de um mundo melhor.

No entanto, durante essa jornada, muitas aventuras acontecem.

As “Suketes” são vividas pelas atrizes Dominique Bueno, Stefanny Leão e Alessandra Maria. Alexia Annes assina o roteiro e a direção da série.

“A arte é capaz de modificar a sociedade de forma leve e o musical é nossa ferramenta para impulsionar a cultura. As próximas gerações serão mais conscientes e artísticas, e queremos ser um canal para isso.” Resume Alexia Annes, CEO da produtora.

Durante as filmagens o set contou com todos os cuidados para a sustentabilidade: copos reutilizáveis, filmagens com mais de 80% de diurnas com luz natural, figurinos de brechó para promover a reutilização de roupas e conversas constantes com equipe e elenco para promover a consciência ambiental.

- Publicidade -

A cidade de São Paulo é a que mais produz lixo no país, com cerca de 19,7 mil toneladas por dia. De acordo com a Pnad 2019 (IBGE), 84,4% das residências brasileiras são servidas diretamente pelo serviço de coleta de lixo domiciliar (geralmente feito por caminhões do sistema de limpeza urbana municipal).

No entanto, a destinação inadequada de lixo tem crescido no Brasil. A quantidade de resíduos sólidos urbanos destinados inadequadamente no Brasil cresceu 16% na última década. O montante passou de 25,3 milhões de toneladas por ano em 2010 para 29,4 milhões de toneladas por ano em 2019.

Em média, 60% dos resíduos coletados no Brasil vão parar em aterros sanitários e os outros 40% vão para lixões. Isso prejudica diretamente a saúde de 77,65 milhões de brasileiros atualmente, e gera um custo ambiental e para o sistema de saúde de cerca de US$ 1 bilhão por ano.

Em meio ao cenário crítico de São Paulo, a série aborda temas relacionados ao lixo e questões ambientais, com o objetivo de promover a conscientização coletiva por meio da cultura.

A produtora está realizando este projeto por meio do artigo 1° A da ANCINE (Agência Nacional do Cinema), através de patrocínio direto.

É fundamental a consciência ambiental e , sobretudo, a mudança de hábitos e atitudes, para que evitemos, na medida do nosso possível, tragédias como as recentes enchentes no Rio Grande do Sul.

Serviço:

Sukata o Musical, a série

Roteiro e direção: Alexia Annes

Elenco: Alessandra Maria, Stefanny Leão, Dominique Bueno, Giulia Savi, Maytê Naomi, Alexia Annes, Nicolau Ariel,  Augusto Galon, entre outros.

Realização: ANCINE e Batom Produções

Produção: Batom Produções

Figurino: Nívea Jaess

Equipe: Isabela Prado, Letícia Ayumi, Ana Paula Silva, Clarissa Kuschnir, Larissa Nakashima, Gabriele Annes, Renata Rosa, entre outros.

Apoio: Prefeitura de Embu das Artes, Catavento Cultural – Fábrica de Cultura Parque Belém.

Compartilhe este artigo
Segue:
Vanessa Goulartt estreou como atriz no teatro ainda criança em A Cegonha Boa de Bico, de Marilu Alvarez, em 1985, peça pela qual ganhou o prêmio APETESP como atriz revelação. Atuou nas peças Cais Oeste (1989), de Bernard-Marie Koltès, Namoro – No escurinho do teatro… (1991), de Ilder Miranda Costa,e Sábado, Domingo e Segunda (2003), de Eduardo De Filippo. Em 2010, na peça A Aurora da Minha Vida, de Naum Alves de Souza, foi dirigida pela sua mãe Bárbara Bruno. Sua estreia em cinema se deu na produção Olhos de Vampa, dirigido por Walter Rogério, em 1994. Trabalhou com o cineasta Carlos Reichenbach nos filmes Dois Córregos (1999) e Garotas do ABC (2003). Em 2005, a atriz volta ao cinema em Coisa de mulher, dirigida por Eliana Fonseca. Vanessa escreveu o curta-metragem O Espeto (2006), protagonizado por Cacá Carvalho. Estreou na televisão no elenco da novela da Rede Record, Cidadão Brasileiro, de Lauro César Muniz. Participou das novelas Maria Esperança (2007), no SBT, e Ti Ti Ti (2010), na Rede Globo. Na minissérie Dercy de Verdade (2012), Vanessa interpretou a própria bisavó Eleonor Bruno, conhecida como Nonoca. Atualmente atua também como apresentadora e assessora de comunicação, através da VG Comunica. Apresenta o programa Dezpadronizada na Radio Vibe Mundial.