Nova voz na MPB, NATASHA estreia com “Samba sem Amor”

Em “Samba sem Amor”, a cantora e compositora NATASHA mescla o tradicional com o contemporâneo, trazendo a dramaticidade lírica e melódica do samba em arranjo carregado de sintetizadores e batuques. Ela é uma dos novos talentos que farão parte do EP “deuZONAS – vozes ferozes” que busca visibilidade para mulheres e corpos dissidentes na MPB.

VÁ DIRETO AO ASSUNTO

Ouça “Samba sem Amor”: https://tratore.ffm.to/sambasemamor

- Publicidade -

Nascida na Lapa, berço da boemia carioca, NATASHA foi criada por pais artistas e amantes do samba. Herdou do avô Waldir de Oliveira, o violão e as referências do choro, vindas de seu irmão, João Thomaz de Oliveira, que foi baterista do grupo Os Oito Batutas. Desde a infância escrevendo poesias até o estudo da canção popular na adolescência, ele é idealizadora da Roda, Tristeza! coletivo de mulheres que performa em rodas de samba pela cidade do Rio de Janeiro. O single de estreia é produzido por Angélica Duarte, que fez a curadoria do EP.

“Essa música reflete as dores de existir em um corpo (e mente) fora dos padrões e a dificuldade de vivenciar o amor em todas as suas formas, de se conectar com o outro. A expressão através da música surge como ponte entre meu coração e o das pessoas, possibilitando encontros que nunca achei possíveis, sendo o principal deles comigo mesma”, conta ela.

Além de NATASHA, estarão presentes diferentes personalidades e perspectivas. Na já lançada “Emocionada”, Bibi Bog faz uma MPB pop lo-fi sobre o amor entre duas mulheres e suas complexidades. AnarkoTrans faz um rap afiado que aponta o dedo na cara do homem cis hétero na urgente “Farpa Feminina”. Mulher preta e travesti, ela transmite suas vivências políticas através da música em eventos culturais pelo Brasil. Por fim, Jessica Assis canta sobre a vida e a coragem. Ela apresenta “Vim Sozinha”, um indie-folk carregado de sentimentos.

Ouça “Emocionada”: https://tratore.ffm.to/bibibog

Para Angélica Duarte, o objetivo do EP é dar protagonismo à diversidade, promovendo mulheres que buscam um pontapé inicial na carreira. “Minha vontade era me desafiar a produzir canções diferentes e entrar em contato com novas vozes, novas sonoridades”, ela conta. “Com isso, bolei uma chamada pública a fim de dar oportunidade a novos talentos, privilegiando artistas promissoras que nunca haviam tido a oportunidade de lançar um fonograma. Durante um curto período de inscrição tive respostas suficientes e selecionei quatro gêneros distintos para produzir, de quatro mulheres talentosíssimas que tem muito o que dizer em suas canções autorais”.

- Publicidade -

“Samba sem amor” está disponível em todas as plataformas de streaming.

 

Foto: Divulgação

Ficha técnica:

Curadoria e Produção Musical: Angélica Duarte

Pandeiro, repique de mão, tamborim e tantan: Lourenço Vasconcellos

Gravado no estúdio l0vynho

- Publicidade -

Mix e Master: Rômulo Mendes

Foto: Leonardo Elger

Beleza: Tainá Lasmar

Distribuição: Tratore

Comunicação: Build Up Media

Letra:

Se eu fosse fazer samba

Tal qual Paulinho faz

Não seria sobre amor

Disso eu não sou capaz

 

Eu não sei a quem engano

Nesses mais de trinta anos

Já nem sinto mais

 

Foram tantos desenganos

Que larguei todos os planos

Transpareço paz

 

Quando a força do desejo

Anda junto com o medo

A flor do amor se esvai

 

Quando em mim nascer um samba

Se renova a esperança

De calar meus ais

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *