ONG alerta que enchentes podem aumentar a contaminação via esgoto

Para o Presidente da ONG Biosaneamento, Luiz Fazio, é urgente pensar em soluções de saneamento básico nas áreas periféricas dos grandes centros urbanos.

As fortes chuvas que atingem a região sudeste do Brasil acendem um alerta para as mudanças climáticas e, atrelado a isso, a falta de saneamento básico. Nos últimos dias, regiões periféricas de São Paulo e Rio de Janeiro registraram as consequências disso, com casas alagadas e ruas que se transformaram em cachoeiras de lixo. A população, ilhada, entrou em contato com a água contaminada.

“Quem não entra em contato com a água, pode achar que está limpa, tratada, mas não está. Quem conhece sabe que tem fezes, cheiro ruim, doença e representa um perigo para a saúde, podendo inclusive aumentar o número de atendimento nos hospitais públicos”, afirma Luiz Fazio, Presidente da ONG Biosaneamento.

- Publicidade -

A relação entre as mudanças climáticas e as enchentes é visível quando bairros periféricos de grandes centros urbanos são afetados. Para a ONG Biosaneamento, o aumento das temperaturas causado pelo aquecimento global, com aumento de emissão de gás carbônico, por exemplo, contribui para que enchentes em larga escala ocorram diversas vezes. Ações humanas, atrelado à falta de políticas públicas nestas áreas, impactam a saúde e as estruturas dos estados e municípios. “O aumento das enchentes em número e gravidade traz ainda mais urgência para universalização do saneamento básico”, afirma Luiz Fazio, Presidente da ONG Biosaneamento.

Saneamento básico

Acelerar soluções de saneamento básico, principalmente em áreas periféricas de grandes centros urbanos, é uma das soluções para mitigar problemas de enchentes causados por mudanças climáticas. Mais de 33 milhões de brasileiros vivem sem água tratada e 93 milhões não têm acesso à coleta de esgoto. Os dados mais recentes foram divulgados pelo Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento (SNIS).

A lei do novo marco legal do saneamento básico, sancionada em 2020, definiu metas para universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário, das quais todas as localidades do país devem garantir que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e 90% ao tratamento e a coleta de esgoto, até o ano de 2033. A ONG Biosaneamento também trabalha para universalizar o saneamento básico. Mais de 13 comunidades e 6 mil pessoas já foram impactadas com projetos e parcerias.

“Embora o novo Marco tenha estabelecido metas para a universalização, ainda estamos engatinhando nas ações efetivas para que ela aconteça. Nosso papel é catalisar e apoiar esse movimento”, salienta Luiz Fazio, Presidente da ONG Biosanemaento.

- Publicidade -

Sobre a Biosaneamento

Atuamos para universalizar o saneamento básico, começando por quem está no fim da fila e partindo do princípio de que ele é urgente. Presentes em mais de 20 comunidades do Brasil, com mais de 11 mil pessoas atendidas e 49 sistemas instalados, fazemos isso por meio do engajamento e da geração de renda para a comunidade na implantação dos sistemas, usando soluções descentralizadas, com inovação tecnológica e social, valorizando as parcerias como meio de implementação. Acreditamos que como Saneamento Básico é fundamental para a dignidade humana, ele precisa ser atendido de forma incondicional e emergencial.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *