Eletrobrás e Ministério da Cultura apresentam ATLÂNTIDA – Uma Comédia Musical

O humor da ATLÂNTIDA CINEMATOGRÁFICA está de volta em musical divertido, que estreia no Teatro Dulcina em 19 de novembro, fechando a programação de 2023 com “chave de ouro”, em curta temporada:

ATLÂNTIDA – Uma Comédia Musical tem texto de Ana Velloso e Vera Novello; direção de Ana Velloso e Édio Nunes e direção musical de Ricardo Rente.

O espetáculo traz no elenco: Ana Velloso, Cassia Sanches, Daniel Carneiro, Édio Nunes, Fábio D’Lelis, Hugo Kerth, Luciana Vieira, Milton Filho, Patrícia Costa e Vera Novello

Escrita e encenada pela primeira vez há mais de 20 anos, Atlântida – O Reino da Chanchada, de Ana Velloso e Vera Novello ganha montagem inédita e um novo título. As autoras fizeram ajustes no texto que fez sucesso em 2000 e acreditam que Atlântida – Uma Comédia Musical está mais condizente com a proposta da nova montagem, que tem direção de Ana Velloso e Édio Nunes (que também assina a Coreografia). “A paixão pelo gênero musical, a essência do texto que criamos a partir de uma pesquisa cuidadosa e o desejo de homenagear os artistas da Atlântida continuam os mesmos”, afirmam as autoras.

A Atlântida Cinematográfica tem importância enorme para o cinema e a cultura brasileira. As chanchadas – apelido dado ao gênero – atraíam multidões às salas de cinema de todo o país que iam prestigiar produções nacionais num momento em que a indústria cinematográfica brasileira apenas engatinhava disputando o seu incipiente mercado com filmes norte-americanos e europeus que conquistavam o mundo. A Atlântida realizou a façanha de produzir 62 filmes entre os anos 40 e 60 – chanchadas, em maior número, mas também dramas e documentários.

“Nunca quisemos falar didaticamente sobre a Atlântida. Queremos que o público vá ao teatro e capte o espírito das chanchadas, entenda o ambiente em que os filmes eram produzidos, as pessoas que estavam por trás delas. Eram artistas e técnicos de grande valor, que faziam filmes em que o povo se reconhecia.”

A peça segue a estrutura dos filmes da Atlântida, com seus personagens-tipo que se envolviam em histórias românticas cheias de quiproquós e reviravoltas, antes de chegarem ao “final feliz”. A trama tem como cenário o próprio estúdio da Atlântida e seus personagens são atores, produtores, roteiristas, diretores, coristas, técnicos, assistentes, numa alusão a todos os que fizeram da Atlântida um verdadeiro polo da sétima arte no Brasil, num esforço pioneiro. “O roteiro nos leva a imaginar que a Atlântida ainda não acabou e que está produzindo mais um filme de ficção – uma chanchada com todos os seus ingredientes fundamentais, numa espécie de grande remake de sua ficção ingênua, com traços de época, que fala de um Brasil mais bem-humorado e inocente”, afirma Ana.

“Atlântida – Uma comédia musical” traz momento antológicos dos filmes da Atlântida Cinematográfica, ao revisitar seus mais icônicos números musicais. Abrangendo amplo universo musical, o roteiro mostra a grandeza e variedade das trilhas dos filmes da Atlântida. O samba e a marcha – que, ao contrário do que se pensa, não predominavam nos filmes da Atlântida – brilham ao lado de sambas-canções, xotes, boleros, rumbas, serestas… um caldeirão musical da melhor qualidade. E além de relembrar as inesquecíveis canções que foram sucessos na época como “Marcha do Gago” (Clécios Caldas e Armando Cavalcanti), “No Tabuleiro da Baiana” (Ari Barroso), “Alguém Como Tu” (José Maria de Abreu e Jair Amorim), “Beijinho Doce” (Nhô Pai) e “Vai com Jeito” (João de Barro), o público poderá rever trechos de filmes e ver imagens inéditas dos artistas e bastidores desta importante fase do cinema nacional.

Fundada em 1941, a Atlântida formava com a Rádio Nacional e os Teatros de Revista da Praça Tiradentes, um tripé cultural sem paralelos. O teatro, e depois os filmes, lançavam sucessos que tocavam na rádio e atravessavam o país de norte a sul. Uma imensa lista de grandes compositores – como Ary Barroso, Ataulfo Alves, Lamartine Babo, Dorival Caymmi, Custódio Mesquita, Antônio Maria) e intérpretes – como Oscarito, Grande Otelo, Emilinha, Linda e Dircinha Batista, Ivon Curi, Eliana, Adelaide Chiozzo, Cyll Farney, Norma Benguel, Dóris Monteiro – eternizaram uma época, partindo de uma linguagem ingênua, mas também libertária na sua explosão de alegria e na genialidade de seus artistas.

“Visitamos o passado, com muita admiração e orgulho destes artistas brasileiros. A Atlântida Cinematográfica é uma referência muito forte para o cinema nacional. E precisa continuar viva na memória do público. Eles faziam filmes com poucos recursos, se comparados às produções hollywoodianas da época, mas não faltava talento e criatividade àqueles artistas que continuam inspirando quem faz humor, hoje, no teatro, no cinema, na tv e até na internet. Oscarito e Grande Otelo – e tantos artistas da Atlântida – merecem um lugar especial na história do musical brasileiro, seja no palco ou na tela”, afirma Vera Novello.

O espetáculo estreia no dia 19 de novembro (domingo) no Teatro Dulcina (FUNARTE), e a temporada vai até 17 de dezembro. “Serão 16 apresentações, então o melhor é não deixar para a última hora”, advertem Ana e Vera.

Ana Velloso e Vera Novello: paixão pelo musical brasileiro

A parceria das atrizes, autoras e produtoras Ana Velloso e Vera Novello começou ainda na CAL – Casa das Artes Laranjeiras, onde fizeram cursos livres e o curso regular de formação de ator. Escreveram mais recentemente “Copacabana Palace – O Musical” (2021), que marcou a reabertura do Teatro do Copacabana Palace e a comemoração dos 100 anos do hotel. Mas juntas produziram mais de 130 espetáculos, entre eles, os musicais “Você não Passa de Uma Mulher”, “Pixinguinha”, “Dolores”, “Atlântida – O Reino da Chanchada”, “Clara Nunes – Brasil Mestiço”, “Obrigada, Cartola”, “O Bem do Mar”, Revista de Ano – O Olimpo Carioca” e “Kid Morengueira, olha o Breque” nos quais estiveram presentes, seja como produtoras e/ou atrizes e/ou autoras. Ana Velloso recebeu prêmio de melhor texto pelos musicais infantis “Sambinha” e “Forró Miudinho”, ambos com direção de Sergio Módena. Vera Novello foi indicada ao Prêmio Zilka Salaberry de melhor atriz em Forró Miudinho e recebeu o Prêmio Fita por sua atuação ao lado de Rogério Freitas em “Vianinha Conta o Último Combate do Homem Comum”, com direção de Aderbal Freire-Filho. Receberam juntas prêmio pela dramaturgia do infantil “O Choro de Pixinguinha”. Já estão preparando texto para outros musicais.

SERVIÇO

Atlântida – Uma Comédia Musical

Local: Teatro Dulcina

Endereço: Rua Alcindo Guanabara, 17 – Centro (próximo à Estação do Metrô Cinelândia)

Período: de 19 de novembro a 17 de dezembro de 2023

Dias: de sexta a domingo (com 02 sessões aos sábados, 02 e 09 de dezembro às 16h30 e 19h.

Horário: 19h

Preço: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia-estudantes e idosos)

Capacidade: 429 lugares

Classificação: Livre

Duração: 90 min

OBS:
*Não haverá espetáculo no dia 15/11/2023 (sexta-feira)

  • O Espetáculo terá 02 sessões gratuitas para público social: Sendo 01 ensaio aberto no dia 18 de novembro, às 19hs e 01 espetáculo para Escolas Públicas no dia 24 de novembro às 14hs

*Sessões com tradução em Libras e Audiodescrição nos dias 15, 16 e 17 de dezembro.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário