Lilian Ferro explica os principais mitos e verdades sobre a cidadania italiana

Entre as informações apontadas, assuntos que vão desde a xenofobia até a possibilidade de imóveis por 1 euro

Adquirir uma dupla cidadania envolve muito mais do que ser apenas um descendente. Quando falamos do reconhecimento da cidadania italiana então, muitos detalhes devem ser observados. E para trazer informações mais precisas do que são mitos e verdades nesse processo, a CEO da Simonato Cidadania, Lilian Ferro, detalhou alguns tópicos que podem ajudar os mais de 30 milhões de brasileiros que possuem esse direito.

- Publicidade -

Para começar, Lilian enfatiza alguns dos principais mitos que envolvem os pedidos de reconhecimento da cidadania italiana, são eles:

Limite de gerações: A cidadania italiana não tem limite de gerações para a transmissão, porém, em outras cidadanias, realmente existe essa condição, como por exemplo, Portugal;
Linha materna: Se a ascendência vem de uma mulher, o descendente não perde o direito à cidadania italiana, ele continua com a possibilidade de adquiri-la, entrando com uma ação contra a constituição assegurada pela Lei de 1948;
Cidadania brasileira: Não é necessário abrir mão da cidadania brasileira para ter o reconhecimento da italiana;
Sobrenome italiano: Não ter o sobrenome do ascendente italiano não quer dizer que a pessoa perde o direito à cidadania italiana;
Turismo: Qualquer pessoa que estiver com um processo de reconhecimento de cidadania italiana aberto, pode continuar fazendo viagens à turismo para a Itália ou qualquer outro país, sem restrições. Vale ressaltar que no caso da abertura de um processo por via administrativa, quando é necessário a presença do requerente pessoalmente na Itália, a atenção deve ser redobrada em relação aos prazos e obrigações;
Xenofobia: Muitos alegam que os brasileiros não são bem-vindos na Itália, mas isso é um verdadeiro mito, já que os italianos estão acostumados com os imigrantes e turistas no país. Casos de xenofobia são pontuais e ocorrem, infelizmente, em qualquer local do mundo, porém, não representam a maioria.

Em relação aos fatos verídicos, a empresária alerta que tais informações são de extrema importância para quem tem o sonho de se tornar um cidadão italiano:

Análise de documentação: Não tem como fugir de uma análise minuciosa de toda a documentação necessária para se entrar com um pedido de reconhecimento de cidadania italiana. Se isso não for feito, a chance de ser do requerimento ser recusado é alta;
Liberdade na Europa: Ao conquistar a cidadania italiana, o requerente pode viver, trabalhar e estudar livremente em qualquer país europeu;
Comprar uma casa: Muitos ouvem falar sobre a compra de casas em cidades na Itália por apenas 1 euro, e isso é verdade. Mas os detalhes são além disso, já que a pessoa precisa assinar um contrato com o governo garantindo uma reforma no local e residência permanente, o que acaba saindo mais que 1 euro;
Retificações: Se os nomes e sobrenomes dos cidadãos italianos e seus descendentes estiverem errados, é necessário a correção de todas as certidões;
Assessoria no processo: Muitos tentam fazer todo processo por conta e via consulado, mas este é um caminho árduo e que muitas vezes leva ao fracasso, já que trata-se de um trâmite extremamente burocrático e cheio de detalhes. Por isso, é necessário o auxílio de uma assessoria que já conhece bem os caminhos;
Vias para requerimento: Existe sim mais de uma via para requerer a cidadania italiana, porém, com a ajuda de profissionais qualificados, é possível entender qual a melhor maneira de iniciar o processo com assertividade.

Agora que os mitos e verdades foram esclarecidos, nada melhor do que tirar os planos do papel e buscar esse direito que traz tantos benefícios em um dos países mais promissores do mundo.

- Publicidade -

Sobre a Simonato Cidadania:

Fundada em 2016, com sede localizada em São Paulo, no famoso bairro da Liberdade, a Simonato Cidadania é a idealização do sonho de Lilian Ferro e sua sócia. Com o desejo de se tornar uma cidadã europeia, Lilian iniciou, também em meados de 2016, o processo para reconhecimento de sua cidadania italiana. Foi aí que os obstáculos se transformaram em oportunidades. Após um longo estudo de mercado e muita determinação, ela e Juliane arregaçaram as mangas e embarcaram no sonho de centenas de descendentes, utilizando das próprias experiências boas e ruins para ajudar outras pessoas. No começo da atuação da empresa, os trabalhos eram realizados apenas pelas duas. Em menos de dois anos, a empresa já contava com quatro funcionários e, durante a pandemia, entre 2020 e 2021, passaram para um quadro de 30 colaboradores, com um crescimento acelerado no faturamento de mais de 700%. Se não bastasse todos os diferenciais citados, a Simonato Cidadania ainda exerce uma função social muito importante. Como meta, ela prioriza a contratação de mulheres e da comunidade LGBTQIA+ para compor a equipe, sempre em busca de valorização e combate à discriminação que, querendo ou não, ainda permanece enraizada na sociedade como um todo. E é atuando no verdadeiro sentido da palavra confiança que a Simonato Cidadania vem tornando sonhos possíveis e aproximando milhares de brasileiros de um dos países mais importantes e queridos da Europa, a bela Itália.

Para saber mais sobre o trabalho de Lilian Ferro, da Simonato Cidadania, basta segui-la em suas redes sociais:

Instagram: www.instagram.com/simonatocidadania
YouTube: www.youtube.com/@simonatocidadania
Facebook: www.facebook.com/simonatocidadania
www.simonatocidadania.com.br

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *