Mitos e verdades sobre o tratamento via inalação da flor de Cannabis

Especialista em Cannabis, a médica Laura Cremonese esclarece mitos e reforça o efeito terapêutico da vaporização de Cannabis

São Paulo, Janeiro de 2024 – No Brasil, atualmente, mais de 430 mil pacientes fazem o uso da Cannabis, de acordo com 2° Anuário da Cannabis Medicinal Brasil, para tratamentos de doenças e quadros clínicos como epilepsia, Parkinson, tratamentos oncológicos, dores crônicas e ansiedade. A administração da Cannabis dentro desses tratamentos pode ocorrer de variadas formas, em formato de óleo, pasta, spray nasal e também por inalação através da vaporização da planta. Estima-se que 30 mil pacientes recorram a esse tipo de administração para tratar casos agudos.

A vaporização é realizada através de um aparelho que possui uma câmara de cerâmica em seu interior para esquentar a flor a uma determinada temperatura, fazendo os canabinóides evaporarem para então serem inalados. A grande diferença que existe entre a inalação da Cannabis e o fumo está na temperatura. Na inalação utiliza-se uma temperatura menor, com isso o CBD e o THC, por exemplo, se transformam em vapor entre 157ºC e 180ºC, enquanto no fumo a combustão chega a 315°C. A temperatura mais baixa previne a produção de toxinas ligadas à fumaça.

- Publicidade -

Em julho de 2022, a Anvisa emitiu uma nota técnica proibindo a importação de produtos compostos pela Cannabis in natura, ou partes da planta, utilizados na vaporização. Com isso, pacientes que se beneficiaram desse tipo de administração têm lutado judicialmente, desde então, para questionar a viabilidade de tal proibição, tendo seus tratamentos prejudicados por conta disso.

A FlowerMed, empresa especializada na produção e no fornecimento de produtos com CBD e THC, juntamente com a sua CEO, Carolina Heinz, convidou a médica Laura Cremonese, especialista em medicina integrada, com certificação internacional em medicina endocanabinóide e ​​pós graduanda em Saúde Mental pela Academia Brasileira de Medicina Funcional e Integrativa, para desmistificar alguns mitos e esclarecer a importância dos benefícios da vaporização de cannabis.

“Ainda há muito desconhecimento, principalmente das autoridades, sobre os usos e benefícios da vaporização. Se um paciente tem asma, ele usa comprimido ou bombinha durante uma crise? Guardadas as devidas proporções, é essa a analogia que os pacientes que sofrem com quadros agudos de dores crônicas, por exemplo, fazem”, explica Caroline Heinz.

A Dra. Laura Cremonese afirma que o processo de vaporização é bem simples, sendo necessária a flor de cannabis in natura, de preferência cortada em pedaços menores e introduzida em um vaporizador de ervas, onde a temperatura pode ser regulada para que não ocorra a combustão da flor. “Feito isso, após escolha da temperatura adequada, o paciente realiza duas inalações e aguarda 15 minutos pela resposta terapêutica. Caso não tenha sido atingida, a vaporização pode ser repetida”, afirma a especialista.

Existem diferenças entre a vaporização e fumo da flor de cannabis. 

- Publicidade -

Verdade: Existem muitas diferenças. No uso vaporizado não há combustão e formação de produtos tóxicos, que é o que acontece no uso fumado, em que todas aquelas partículas geradas pela combustão são inaladas e vão para dentro dos alvéolos pulmonares. No longo prazo, isso pode ser prejudicial. Além disso, com uso do vaporizador de ervas há o controle da temperatura, que varia entre 160º e 220ºC, resultando na proteção das vias aéreas em comparação com o fumo, que atinge mais de 1000ºC e por isso é muito mais lesivo.

Na vaporização ocorre uma melhor absorção das propriedades terapêuticas da Cannabis comparado ao fumo?

Verdade: No uso vaporizado a absorção dos fitocanabinoides é otimizada, pois não existe a pirólise desses compostos, como acontece no uso fumado, em que cerca de 30% dos fitocanabinóides são literalmente queimados. Isso significa que no uso vaporizado os efeitos terapêuticos são potencializados.

A vaporização é melhor que a ingestão em formato de óleo ou pasta da Cannabis.

Mito: São diferentes vias de administração dos mesmos compostos. A principal diferença se dá no tempo de absorção e início dos efeitos e na duração dos mesmos. Para deixar mais didático, podemos fazer uma analogia entre o uso vaporizado da Cannabis e o uso das bombinhas usadas no tratamento de asma, em que o início dos efeitos ocorre rapidamente, em minutos, mas que também tem uma duração mais curta se comparado com o uso por via oral/sublingual. Por isso, o uso vaporizado é indicado para controle agudo de sintomas como crises de ansiedade e crise de dor. Já o uso sublingual/oral do óleo da Cannabis pode ser comparado às medicações utilizadas em comprimidos, que levam em torno de 30 minutos para iniciarem sua ação, mas que a duração é mais prolongada. No caso do óleo de cannabis a duração média é de 6 horas. No uso vaporizado, a duração média é de 1h e 30min.

- Publicidade -

Um dos principais benefícios da vaporização é a rapidez em promover efeito no paciente

Verdade: Rápido início de ação e grande biodisponibilidade dos componentes na corrente sanguínea. Os pacientes que mais se beneficiam do uso vaporizado são os que necessitam de rápido início de ação e com alta potência, como nos casos de crises de dor ou crises de ansiedade. Ou então pacientes com Doença de Parkinson, com grande rigidez e tremores, conseguem alívio mais rápido desses sintomas. Assim como pacientes com vômitos excessivos, como acontece em casos de quimioterapia, por exemplo.

Dos tratamentos disponíveis, a vaporização é o tratamento mais eficaz no uso de Cannabis.

Mito: Não é verdade que tem mais eficácia, mas tem suas diferenças. A vaporização é a via que sabemos que há maior biodisponibilidade dos compostos, ou seja, melhor absorção. Além disso, apresenta uma previsibilidade maior. Na via sublingual/oral, a intensidade e o tempo de surgimento dos efeitos com a mesma dose podem variar muito de um paciente para o outro. E também do próprio paciente, dependendo de estado alimentado ou jejum, tempo de permanência do óleo embaixo da língua, tipos de alimentos que foram ingeridos naquele dia etc. Porém, pela maior durabilidade dos efeitos, se comparado ao uso vaporizado, a ingestão é a via de escolha para tratamento crônico e, se necessário, deve associar o uso vaporizado para casos indicados.

Qualquer vaporizador pode ser usado na inalação de flor de Cannabis.

Mito: O vaporizador mais adequado é o vaporizador de ervas secas. Existem diversos modelos e marcas disponíveis no mercado com diferentes características e valores, mas todos são efetivos. Mas é claro que alguns vaporizadores que carecem de um investimento maior podem apresentar melhor aproveitamento, maior controle de temperatura e até do sabor.

A vaporização pode viciar ou deixar chapado.

Mito: Ficar chapado é um efeito colateral de uma dose muito alta do THC, principalmente sem o CBD associado, independente da via de administração (oral ou inalatória). No caso de vaporização de flores ricas em CBD com baixo teor de THC (menor que 0,3%) o efeito psicoativo não acontece. Quanto ao vício, se a Cannabis for utilizada em altas doses, por longos períodos, sem orientação médica, no caso do uso adulto/recreativo, pode sim levar à adicção. A título de comparação, a Cannabis apresenta menor potencial de vício que a nicotina e o álcool.

A vaporização diminui o consumo de químicos nocivos liberados no processo, como comparado ao fumo da flor, por exemplo.

Verdade: Esse é um ponto bem interessante e uma grande vantagem do uso vaporizado em relação ao fumo. Quando é feito o uso fumado, há combustão, que gera produtos tóxicos que são nocivos ao organismo humano, promovem uma resposta inflamatória e pode levar a lesão nos alvéolos pulmonares o que no longo prazo pode levar a doenças crônicas. No uso vaporizado, não há combustão, consequentemente não há partículas tóxicas sendo criadas e levadas aos pulmões, sendo muito mais seguro para os pacientes.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *