Segunda temporada de “Entre Nós” chega ao fim com temas polêmicos e importantes

Após muitas reviravoltas, emoções e surpresas, chega ao fim nesta terça-feira (25), a segunda temporada da websérie “Entre Nós“, produzida pela produtora de audiovisual independente, Bera Play. Com roteiro escrito pela diretora e roteirista Mariana Berardinelli, a trama LGBTQIAP+ aborda temáticas atuais, importantes e necessárias, como abuso sexual, gravidez, entre outros.

O projeto conta a história de Catarina (Una Plok) e Beatriz (Katerina Amsler), colegas de quarto que se apaixonaram durante a quarentena. Depois que tudo volta ao normal, começam a precisar lidar com a realidade e questões da vida que, até então, não eram necessárias e tudo isso respinga no relacionamento. A segunda temporada aprofunda melhor a narrativa, explorando os sentimentos dos personagens de forma mais intensa e aprofundando os outros núcleos presentes na história.

Entre os núcleos explorados, um forte e impactante é a história de Patrícia, interpretada por Joana Infante, em que a roteirista traz questões profundas e sensíveis à trama. A série não fugiu de temas polêmicos e extremamente relevantes no contexto atual. Nesta fase, Patrícia traz à tona a questão do aborto, especialmente em casos de estupro, refletindo discussões atuais da sociedade brasileira.

Patrícia, que na primeira temporada aparecia apenas como melhor amiga e sócia de Beatriz, revela na nova fase a existência de um filho que não possui contato e surpreende a todos.  “Eu queria trazer uma problemática para a personagem da Joana. E me questionei: Qual a história dela? Porque ela parece ser tão sozinha e ao mesmo tempo tem essa necessidade de liberdade… Pensei que ela poderia ter um filho e como esse filho nunca foi citado na primeira temporada, precisava justificar isso. Ela tinha que ter um motivo muito forte para não ter contato. E como queria trazer temáticas importantes para a sociedade, pensei em ela ter engravidado por ter sido vítima de um estupro e ter sido obrigada pela mãe cristã a manter a gestação. Mas olhar para o filho passou a ser uma dor a mais pra ela, além da própria lembrança desse dia que nenhuma mulher que vive consegue esquecer”, conta a roteirista.

“O fato da Patrícia ter um filho foi algo que só começou a ser ventilado no especial do ano passado, entre a primeira e a segunda temporada. Eu sabia que ela tinha uma relação difícil com o filho, mas não sabia exatamente o motivo. Quando a Mari me falou sobre o estupro, a dúvida sobre abortar ou não, eu me arrepiei e fiquei com os olhos cheios d’água de muita emoção. Primeiro pela proporção que a personagem iria tomar, já que ela é uma coadjuvante. E também pela responsabilidade de trazer temas tão pesados e, ao mesmo tempo, delicados para um público que estava acostumado com uma personagem leve. Eu tentei tratar com o máximo de respeito e tendo sempre em mente que a minha intenção era mostrar apenas um lado dessa realidade, já que a Patrícia escolheu levar a gravidez até o final, mas ela própria deixa claro para o filho que tinha a intenção de abortar.  Confesso que fiquei muito envolvida, pensava no estupro da Patrícia várias vezes ao dia, pensava na angústia da decisão entre ter o filho ou cometer um crime, sendo que o crime já havia sido cometido”, declara Joana.

Apesar de coincidir com o momento em que o país vive, lutando contra a PL do Aborto, Mariana conta que considera esse um assunto que é vivido diariamente e há anos. “Esse tema é sempre atual. Quando o episódio foi para o ar, me questionei muito se eu tinha abordado da melhor forma, pois quando discutimos assuntos como esse, existem muitas coisas que precisam ser esclarecidas para a população”

Ela ainda completa: “Eu pessoalmente acho essa PL uma das coisas mais absurdas que já vivemos nesse país. Nenhuma mulher deve ser obrigada a prosseguir com uma gestação vinda de um estupro. E muito menos criminalizada, se a sua decisão for a de interromper a gravidez”, afirma.

Sucesso e indicações internacionais

“Entre Nós” tem sido um grande sucesso, com números de visualizações expressivos, somando apenas na segunda fase, 1,2 milhões de views e uma base de fãs leal. Ao todo, já acumula cerca de 15 milhões de visualizações e mais de 800 mil no Especial.

Além do alcance de público, a trama também vem sendo reconhecida no meio do audiovisual profissional, onde já soma 10 indicações em festivais internacionais apenas com a primeira temporada, incluindo uma na categoria de “Melhor Roteiro”, escrito pela diretora Mariana Berardinelli.

A temporada chega ao fim nesta terça-feira (25), com o último episódio no YouTube da produtora Bera Play.

 

Compartilhe este artigo
Jornalista e assessora de imprensa. Trabalha na área do entretenimento há mais de 6 anos e é apaixonada pela comunicação.