Ayrton Montarroyos e Flávia Bittencourt apresentam show em homenagem aos 90 anos de João do Vale na Casa de Francisca

Para celebrar os 90 anos de João do Vale, os artistas nordestinos contarão ainda com a participação da mãe da bossa nova Alaíde Costa que interpretará duas canções do cantor maranhense gravadas por ela em 1965.

São Paulo, janeiro de 2024 – Para celebrar os 90 anos de João do Vale, os cantores Ayrton Montarroyos e Flávia Bittencourt apresentam o show “João do Vale 90 anos”, com a participação mais do que especial da cantora Alaíde Costa. O show que tem como objetivo manter viva a memória do grande artista, cantor e compositor João do Vale, nascido em Pedreiras, no Maranhão, será realizado na Casa de Francisca, no próximo dia 19 de janeiro. A abertura da casa será às 19h30. Os ingressos já estão à venda no site da Casa de Francisca.

- Publicidade -

As canções de João do Vale nos chegam como um grito de lamento, denúncia e revolta. As imagens simbólicas de seu cancioneiro exprimem sua própria voz, a vida nordestina e a experiência de sobrevivência dos sujeitos. Essa marca notável nos provoca, nos inquieta e fez nascer a ideia desse show. As letras das canções chamam a atenção para a participação do artista no processo de ressignificação do Nordeste, ao criar e metaforizar em imagens um lugar que lhe é próprio e identificá-lo com o contexto de violência e aridez política que se vivia no país nos anos 1960, amplamente manifestado nas canções de protesto. São letras de canção, mas sua condição poética nos remete a considerar a possibilidade de leitura de uma voz testemunhal intensa, violenta e criativa, que se manifesta na experiência de um sujeito praticamente iletrado, marcado por uma vida de sofrimento. Sua inteligência e inventividade popular o fizeram adentrar estrategicamente no campo da música brasileira e por lá permanecer, ora fazendo sucesso, ora nem tanto.

No repertório do show, músicas como “Carcará”, “O Canto da Ema”, “Pisa na Fulô”, “Minha História”, “Peba na Pimenta”, “Passarinho”, “Pé do Lajeiro” e outras ganham interpretação nas vozes dos jovens nordestinos Ayrton (ele pernambucano) e Flávia (ela maranhense). Alaíde faz uma participação mais que especial com as inesquecíveis “A Voz do Povo” (João do Vale, Luiz Vieira) e “O Jangadeiro” (João do Vale, Dulce Nunes) que ela gravou em seu álbum de 1965 pela gravadora Som Maior. Os artistas serão acompanhados pelos músicos que fizeram o musical sobre a vida de João do Vale, cuja direção musical é de Luiz Júnior Maranhão. A produção artística e executiva é de Thiago Marques Luiz.

Serviço:

João do Vale 90 Anos

19 de janeiro de 2024, às 19h30

- Publicidade -

Casa de Francisca

Rua Quintino Bocaiúva, 22 – Sé, São Paulo/SP

Os ingressos já estão à venda no site da Casa de Francisca.

Tel: (11) 3052-0547

www.casadefrancisca.art.br

- Publicidade -

Sobre Ayrton Montarroyos:

Ayrton Montarroyos é um cantor brasileiro nascido em Recife. Desde cedo, aos 11 anos, já se apresentava em saraus e rodas de choro em sua cidade natal. Aos 18 anos, gravou em discos importantes da música brasileira, sendo que um deles foi indicado ao Grammy Latino em 2013. Aos 20 anos, conquistou o segundo lugar no programa The Voice Brasil, da TV Globo, interpretando clássicos da música brasileira. Aos 22 anos, lançou seu primeiro álbum, que recebeu reconhecimento da crítica especializada no Brasil e no Japão. Seu primeiro disco foi produzido por Thiago Marques Luiz, responsável por trabalhos premiados de artistas renomados. O álbum contou com arranjos de compositores como Arthur Verocai, Zé Manoel, Vitor Araújo e Diogo Strausz. Ayrton também interpretou uma música inédita de Zeca Baleiro. Em 2019, lançou seu segundo álbum, gravado ao vivo com o violonista Edmilson Capelupi. O disco apresentou canções contemporâneas e complexas de compositores veteranos. Durante a pandemia de 2020, Ayrton criou uma série de pesquisa sobre música brasileira em estúdio, transmitida ao vivo para um grande público. Em 2021, teve duas músicas incluídas na trilha sonora da novela “Quanto Mais Vida, Melhor!” da Rede Globo. Em 2022, participou de uma turnê com Edu Lobo e Vanessa Moreno, em comemoração aos 80 anos do compositor. O espetáculo foi gravado em disco e também contou com a participação de Monica Salmaso e Zé Renato. No mesmo ano, começou a publicar vídeos semanais em plataformas digitais, abordando questões relevantes sobre arte e cantando músicas que lhe são queridas, atingindo milhões de visualizações. Atualmente, está apresentando o show “Ayrton Montarroyos Canta Caetano Veloso” em parceria com Rodrigo Campos e Arquétipo Rafa. Além disso, está trabalhando em seu mais recente espetáculo, “A Lira do Povo”, que será lançado em disco no primeiro semestre de 2024, com participações de Ariane Rodrigues, Arquétipo Rafa e Rodrigo Campos.

Sobre Flávia Bittencourt:

Flávia Bittencourt é uma cantora e compositora maranhense, nascida em São Luís. Seu primeiro trabalho, intitulado “Sentido” distribuído pela Som Livre, mescla a cultura popular, o pop, músicas nordestinas e composições próprias e foi indicado para o Grammy Latino e para o Prêmio TIM de Música. A artista é uma grande conhecedora e divulgadora da obra de João do Vale que nos chega para mostrar canções de seus conterrâneos, de sua autoria e também dos grandes mestres nascidos pelos confins brasileiros e do mundo. Flávia, além de cantora e compositora, é atriz. Participou do curta de Neville de Almeida chamado “Redenção” e do longa de Frederico Machado chamado “As Órbitas da Água”. O primeiro álbum lançado por Flávia foi “Sentido”, seguido por “Todo Domingos”, uma homenagem à obra de Dominguinhos. Depois, vieram “No Movimento”, o DVD “Leve” e “Eletrobatuque”, gravado em 2018 com direção de Renato Falcão. Recentemente, ela lançou a canção “Amouro’, com Carlinhos Brown, que integra o seu mais novo álbum, intitulado ”Volitar”.

Sobre Alaíde Costa:

Aos 88 anos, uma das maiores vozes da música brasileira é também uma artista que sempre se guiou pelo que quis fazer e pelo que acreditava fazer melhor, o que não foi fácil. “Ah, mas você é negra, tem que cantar uma coisa mais animadinha, sabe? Um sambinha”, ouvia. “Me recusei a entrar nessa porque não daria certo”, afirma, categórica. Seu primeiro álbum foi lançado dois anos antes de “Chega de Saudade” (1958), música que marca o início da bossa nova, mas só recentemente ela passou a ser reconhecida entre os grandes nomes do gênero — assim como Johnny Alf, precursor do estilo e, não por acaso, também negro. Durante a carreira, teve grandes parceiros musicais como o próprio Johnny Alf, Vinicius de Moraes, Tom Jobim, João Gilberto, Milton Nascimento, Oscar Castro Neves, entre outros.

Em um show que homenageou João Gilberto em abril de 2023, em São Paulo, falou: “Vou fazer 88 anos, tenho 70 de carreira, e olha que loucura: as pessoas me descobriram agora!”. Alaíde nunca parou de cantar, nunca ficou sem gravar (são mais de 20 discos) ou se apresentar em shows. Alaíde é uma das poucas artistas vivas que passou por todos os formatos de mídia – desde o 78RPM, LP, K7, CD e agora o streaming. Nos últimos anos, parcerias deram novo vigor a uma carreira cheia de coerência artística. Em 2022, lançou “O que meus calos dizem sobre mim”, produzido por Emicida, Pupillo (Nação Zumbi) e Marcus Preto, álbum que terá segundo volume em 2024 — eleito o melhor lançamento fonográfico de MPB no 30º Prêmio da Música Brasileira, com a cantora aplaudida de pé por todo o Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em maio de 2023, Alaíde se apresentou em Portugal com a Orquestra de Jazz do Algarve sendo um grande sucesso de crítica e público além mar. Além disso, se apresentou no Carnegie Hall em Nova Iorque em outubro de 2023, no show The Greatest Night Bossa Nova em comemoração aos 60 anos da Bossa Nova, no qual foi aplaudida de pé por mais de cinco minutos.

Atualmente Alaíde Costa está em estúdio gravando o segundo disco da trilogia produzida por Emicida, Pupillo (Nação Zumbi) e Marcus Preto, e já lançou dois singles do novo trabalho: “Moço” (Marisa Monte e Carlinhos Brown) e “Ata-me” (Junio Barreto). Está em turnê por todo o Brasil com dois shows: “O que meus calos dizem sobre mim”, com o repertório do último disco e “Pérolas Negras”, no qual se apresenta ao lado das amigas Eliana Pittman e Zezé Motta cantando um repertório apenas de compositores negros passando por Milton Nascimento, Candeia, Jorge Ben, Jhonny Alf, Cartola, Martinho da Vila, Gilberto Gil, Tim Maia, Luiz Melodia, Djavan, Leci Brandão, Paulinho da Viola, Ataulfo Alves e outros.

Compartilhe este artigo
Segue:
Autora na Gazeta24h e agora na ImprensaBr, sempre com comprometimento com a imparcialidade na informação.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *