Desafios para 2024 do Governo Federal no setor econômico estão entre fortalecer lideranças no Congresso e aumentar consumo das famílias brasileiras

Para o economista Wagner Moraes, as expectativas para melhoras na economia estão sujeitas a variações, dependendo de uma série de fatores internos e externos

São Paulo – A equipe econômica do Governo Federal vai enfrentar desafios diversificados em 2024. Os setores do agronegócio, serviço e indústria apresentaram crescimento modesto em 2023 e podem alavancar dependendo do consumo das famílias brasileiras e de questões políticas internas e externas. Além disso, as eleições municipais no Brasil e a presidencial nos EUA acrescentam ingredientes a mais no desenvolvimento do país ao longo do ano.

- Publicidade -

Para o economista, especialista em macroeconomia, mercado financeiro e CEO da A&S Partners, Wagner Moraes, o Brasil encara desafios econômicos cruciais em 2024, centrados também na política monetária e fiscal, além da política internacional.

“A taxa Selic, crucial para estimular a economia, poderá sofrer influência de fatores externos, como políticas econômicas dos EUA e tensões geopolíticas globais. Paralelamente, o governo enfrenta o desafio de equilibrar um aumento nos gastos públicos, especialmente em saúde e educação, com a necessidade de manter a sustentabilidade fiscal. Isso exige a busca de novas fontes de receita, embora a eficácia dessas medidas seja incerta”, avaliou.

Para Moraes, as reformas estruturais, incluindo a tributária, são essenciais para um crescimento econômico sustentável e inclusivo. “O FMI destaca a importância de manter a estabilidade fiscal e de realizar investimentos públicos estratégicos, apesar dos desafios como baixo crescimento potencial e inflação”, disse.

A agricultura demonstrou crescimento modesto em 2023, com picos de variações positivas. Para Wagner, a expectativa é pela melhoria do setor, impulsionado pela cultura da soja. “Este setor, apesar de enfrentar variações sazonais e desafios impostos pelo cenário global incerto, mostrou um bom desempenho em 2023, com expectativas positivas para 2024”, pontuou.

No âmbito nacional, a inflação é projetada em 3,92% e o crescimento do PIB em 1,5%, segundo o Boletim Focus do Banco Central. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê um crescimento um pouco mais otimista de 2% para o PIB. Para o especialista, o crescimento é parcialmente impulsionado pelo consumo das famílias e do governo.
“Essas expectativas, contudo, estão sujeitas a variações, dependendo de uma série de fatores internos e externos, incluindo políticas governamentais e respostas à inflação e outros desafios econômicos”, disse.

- Publicidade -

Congresso Nacional

Em 2024, a equipe econômica do Brasil enfrentará desafios significativos para a aprovação de leis no Congresso, incluindo a Câmara dos Deputados e o Senado. Um dos focos principais será a reforma tributária, que visa simplificar o sistema atual substituindo cinco tributos por dois novos Impostos sobre Valor Agregado (IVAs). Além disso, o governo terá que trabalhar na manutenção de vetos presidenciais em projetos chave, como o marco temporal para demarcação de terras indígenas e o novo arcabouço fiscal.

Para Wagner Moraes, o Governo Federal terá que trabalhar para melhorar a base na Câmara e no Senado. “As lideranças do governo no Congresso enfrentam o desafio de formar consensos que permitam a aprovação dessas leis, vital para o progresso da agenda econômica do governo. Esses esforços refletem a necessidade de uma negociação política hábil e estratégica em um ambiente político multifacetado”, avaliou.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *