Especialista analisa perfil dos consumidores da Black Friday e Natal: “Diferença está nas motivações e no tipo de compra realizada”

Wagner Moraes também afirma que o comércio se prepara para ambas as datas de maneira diversa e pontua que aumento de empregos temporários na reta final de ano aquece a economia

Quem nunca juntou dinheiro para fazer compras na Black Friday? Essa compra com desconto no mês de novembro tem um alvo mais pessoal do que familiar. Uma pesquisa da MField revelou que o setor campeão dos consumidores são itens relacionados a moda e acessórios (39,3%), seguido de eletrônicos (37,5%) e cosméticos (35,9%). Para o economista, especialista em macroeconomia, mercado financeiro e CEO da A&S Partners, Wagner Moraes, o levantamento reflete que a população usa a Black Friday mais para uso individual.

“Na Black Friday, o foco é mais individualizado, voltado para a autossatisfação ou aquisições planejadas. Há também uma busca significativa por ofertas em categorias como moda e beleza”, disse.

O Google também divulgou pesquisa no qual afirma que dois em cada três consumidores devem comprar durante a Black Friday. O brasileiro pretende comprar, em média, produtos de seis categorias diferentes. Mais de 1,8 mil pessoas foram ouvidas.

A procura por roupas, acessórios, celulares e eletroeletrônicos mais “em conta” também guia o consumidor por itens pessoais. “Os consumidores geralmente buscam aproveitar grandes descontos para adquirir itens desejados ao longo do ano ou produtos de maior valor, como eletrônicos e eletrodomésticos, que raramente entram em promoção em outros momentos”, avalia Moraes.

Para as festas de fim de ano, principalmente no Natal, o perfil comprador muda. O economista afirma que o foco passa a ser presentear um ente familiar ou amigos. “As compras natalinas são mais diversificadas, incluindo brinquedos, roupas, livros, itens de decoração e outros produtos que simbolizam carinho e consideração. Além disso, o espírito natalino influência um aumento nas compras de produtos relacionados a festas e celebrações, como alimentos especiais e decorações”

A empresária Juliana Duarte representa o perfil das duas datas específicas. Ela disse que pretende trocar de celular na Black Friday e presentear familiares no Natal. “Estou pesquisando preços de telefones nessa Black Friday e acho que vou trocar por outro melhor. E no natal vou comprar alguma coisa para os meus pais, só não defini ainda o que vou comprar”

Empregos temporários em alta

O poder de compra do consumidor brasileiro, atrelado à Black Friday e Natal, reflete em uma expectativa positiva para empregos temporários. A Associação Brasileira do Trabalho Temporário divulgou que o Brasil deve criar 470 mil vagas de emprego temporários de outubro a dezembro de 2023. É uma alta de 5% em relação ao mesmo período de 2022.

“Essas contratações temporárias abrangem uma variedade de funções, desde atendimento ao cliente em lojas físicas até logística e processamento de pedidos em centros de distribuição e operações de e-commerce. Além disso, com o crescimento do comércio eletrônico, há também uma demanda maior por profissionais em áreas como suporte de TI, atendimento ao cliente online e gestão de redes sociais”, diz Wagner Moraes.

O economista sugere que a chegada da Black Friday impulsiona as contratações para atender a alta demanda de consumo. “Esse fenômeno ocorre porque a Black Friday se tornou um dos eventos de varejo mais significativos do ano, gerando um aumento substancial no volume de vendas. Essas vagas temporárias não apenas ajudam as empresas a lidarem com o pico de demanda, mas também oferecem oportunidades de emprego para muitas pessoas”, disse.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário