Estudo inédito revela que visibilidade dos ambientes em cloud é prioridade para CIO’s em 2023

Pesquisa realizada pela SoftwareOne com mais de 600 líderes de TI aponta o aumento orçamentário em relação a investimentos tecnológicos e maior busca por FinOps para controle em nuvem

A SoftwareOne, companhia líder em soluções de softwares e tecnologia de nuvem e serviços, acaba de divulgar um estudo inédito que aponta um movimento do mercado global em aumentar seus orçamentos com TI, bem como investir em nuvem e FinOps, o qual consiste em um modelo de controle e gerenciamento dos custos em nuvem, ainda para 2023. O levantamento CIO Pulse 2023 foi realizado com 600 líderes de TI em todo o mundo, a fim de compreender seus gastos no setor e prioridades para este ano.

A pesquisa aponta que, atualmente, os CIO’s enfrentam um cenário desafiador que exige o equilíbrio inteligente entre novos serviços e a otimização da tecnologia existente. Desta forma, 93% dos entrevistados indicam que seus orçamentos de TI serão amplamente aumentados de alguma forma, visto que as companhias planejam investir em tecnologia para impulsionar a inovação, acelerar a transformação digital e reforçar a segurança em uma superfície de ataque em expansão.

Neste recorte, quase um em cada cinco profissionais (17%) prevê um aumento de mais de 50% no orçamento e mais de três quartos (76%) esperam uma expansão de 1 a 49%. No entanto, 83% dos líderes de TI acreditam que precisarão fazer mais com menos recursos.

Segundo o Eronides Junior, COO Brasil da SoftwareOne, nos últimos cinco anos, o papel do CIO e do departamento de TI em geral mudou de apenas manter a infraestrutura de TI em funcionamento para criar e impulsionar a estratégia organizacional das empresas. “O CIO de hoje é um agente de mudança, auxiliando a criar e oferecer novos serviços digitais para diferenciar as organizações e impulsionar o aumento de receitas e valor”, afirma.

Neste sentido, apesar de 92% dos entrevistados garantirem que a inovação digital impulsionará novas receitas ainda este ano, 72% destes revelam que estão atrasados neste processo de transformação digital, em grande parte devido à dívida técnica, uma vez que ao longo da pandemia de Covid-19, diversas organizações aceleraram seus projetos digitais e a implementação de ferramentas tecnológicas.

Os desafios tecnológicos enfrentados pelas companhias

Atualmente, as organizações devem lidar com seu débito técnico e questões de TI ultrapassadas para realizar uma transformação digital efetiva. “Nossa pesquisa aponta que quase um terço (31%) dos líderes de TI afirmam que não estão obtendo os melhores resultados da nuvem porque não otimizaram as cargas de trabalho antes da migração”, conta Eronides Junior.

Isto por que, uma das principais adesões e atualizações aceleradas pelas empresas ao longo da pandemia foi a tecnologia em nuvem, a qual também será responsável por grande parte do aumento de orçamento previsto para 2023, de acordo com 90% dos CIO’s.

Considerando o cenário observado nos últimos anos, em que muitas organizações correram para implantar novas aplicações e serviços remotos usando serviços de nuvem, atualmente 55% dos líderes de TI estão lidando com problemas causados pela falta de preparação na migração para a nuvem, incluindo 38% que admitem lidar com problemas causados por uma migração apressada para a nuvem e mais 17% que afirmam ter movido aplicações e serviços para a nuvem sem um planejamento completo de orçamento, o que significa que gastaram demais e agora precisam reajustar.

Para Eronides Junior, está cada vez mais claro que modernizar a infraestrutura legada, aprimorar a estratégia de nuvem e lidar com o débito técnico são fatores importantes para os líderes de TI. “Quase três quartos dos entrevistados informaram que os esforços de transformação digital de suas organizações estão atrasados devido ao débito técnico, enquanto 51% citam uma infraestrutura legada de TI complexa como um de seus principais desafios”.

Desta forma, um em cada quatro líderes de TI planeja migrar cargas de trabalho críticas para a nuvem, citando aumentos rápidos na carga de trabalho que excedem a capacidade (40%) e a continuidade da transformação (40%). Além disso, 82% esperam que seu investimento em modernização de aplicativos aumente; desses, 45% esperam um aumento leve, enquanto 37% antecipam um aumento significativo.

No entanto, muitas empresas estão enfrentando dificuldades para ter controle e visibilidade do verdadeiro custo da provisão em nuvem. Apesar do fato de que todas as organizações entrevistadas utilizam tecnologia em nuvem, apenas 27% afirmam que estão obtendo um valor muito superior ao esperado pelo seu investimento, em grande parte devido a implementações apressadas e configuração inadequada dos serviços.

“Muitas instituições de TI gastaram muito nesses serviços, enquanto outras não otimizaram as cargas de trabalho e possuem aplicações em nuvem que não estão configurados para suas necessidades específicas. Isso representa uma forma de dívida técnica, ou seja, o preço que as empresas pagam pela entrega de projetos no curto prazo em detrimento da eficiência a longo prazo, sendo uma abordagem que soluciona problemas e necessidades imediatas, como a de suportar o trabalho remoto, mas não oferece valor a longo prazo”, explica o executivo.

Investimento em FinOps: visibilidade da nuvem

Levando este cenário em consideração, 95% dos entrevistados desejam aumentar a visibilidade dos custos relacionados à nuvem, enquanto 45% acreditam que ter uma maior transparência dos custos em nuvem resultaria em melhor valor agregado e segurança. Sendo assim, 80% dos líderes de TI esperam ampliar seus gastos com FinOps como uma maneira de obter a tão necessária clareza e controle dos custos com cloud.

As práticas de FinOps ajudam a avaliar e compreender o desempenho e o potencial das plataformas e serviços em nuvem, portanto, 40% dos entrevistados o classificaram como uma prioridade para reduzir os custos de TI, sendo que as únicas outras prioridades de redução de custos com classificações semelhantes foram “redução dos custos de mão de obra de TI por meio da terceirização” e “migração contínua para a nuvem a partir da saída dos data centers”.

Segundo o executivo, é essencial que os CIO’s reconheçam a necessidade de calibrar sua estratégia em nuvem para o atual cenário econômico e técnico, bem como desenvolvam um plano de mudança tecnológico. “A SoftwareOne tem como objetivo auxiliar as organizações a avançarem em seu processo de evolução digital, reduzindo o débito técnico e otimizando o valor de seus investimentos”.

Eronides Junior sugere, portanto, que os CIOs sigam cinco etapas prioritárias, as quais incluem primeiro identificar áreas em que o débito técnico possua o maior impacto em relação aos objetivos do negócio e analisar o código-fonte para identificar onde as otimizações devem ser feitas. Em seguida, é indicado utilizar métricas claras para demonstrar o valor dos investimentos digitais existentes. “Neste caso, o FinOps pode fornecer uma estrutura poderosa para a visibilidade dos custos de nuvem atuais, proporcionando responsabilidade financeira em toda a organização”.

O terceiro passo seria identificar rapidamente as mudanças e atualizações necessárias, e a quarta etapa consiste em desenvolver um plano de modernização completo, com informações sobre o custo total de propriedade e retorno sobre o investimento. Para finalizar, o executivo da SoftwareOne indica que as licenças sejam otimizadas, por meio da avaliação dos ativos de TI, por exemplo.

“Entendemos que o débito técnico é uma consequência de planos que eram adequados anteriormente, mas, assim como qualquer dívida, precisa ser quitada para evitar implicação de custos a longo prazo. Pensando nisso, o estudo confirmou que, de fato, modernizar e migrar aplicativos para a nuvem antes que a dívida técnica prejudique a inovação digital deve ser uma prioridade, assim como o investimento em FinOps, para obter visibilidade e controle dos gastos em ambientes de cloud”, finaliza o executivo.

Sobre a SoftwareOne

A SoftwareOne é uma provedora global com presença local, e líder em soluções de softwares e tecnologia de nuvem, com sede na Suíça. Com um portfólio de serviços baseados em tecnologia e IP, permite que as empresas desenvolvam e implementem holisticamente suas estratégias comerciais, de tecnologia e de transformação digital. Através da modernização de aplicativos, migração de workloads críticos em nuvens públicas, gestão de software, inovação, segurança, governança e computação em nuvem. Suas ofertas são conectadas pelo PyraCloud, a plataforma digital exclusiva da SoftwareOne que fornece aos consumidores inteligência acionável por data-driven. Com cerca de 7.700 funcionários e recursos de vendas e prestação de serviços em 90 países, a SoftwareOne atende cerca de 65.000 clientes com soluções em nuvem e software de mais de 7.500 fabricantes. As ações da SoftwareONE (SWON) são cotadas na SIX (Bolsa de Valores da Suíça). Para mais informações, visite SoftwareOne.com.

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário