Prestex realiza logística agrícola transportando de maquinários a moléculas

 Produtos tecnológicos e de pesquisa para o campo demandam soluções personalizadas, muitas vezes em logística emergencial

 Nos últimos anos, o agronegócio bateu recordes no Brasil em relação à safra de grãos e ao valor de produção, rendendo bilhões ao setor produtivo brasileiro. O PIB do agronegócio representou 23,8% do PIB do País, em 2023.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de grãos no ciclo 2023/2024 está estimada em 297,54 milhões de toneladas. O volume é 7% menor do que o obtido na temporada anterior. Não que os números sejam ruins, pois os dados da safra 2022/2023 bateram recordes históricos, elevando a marca comparativa.

De acordo com o especialista em logística emergencial, Marcelo Zeferino, CCO da Prestex, uma logística estratégica e ágil é crucial para a eficiência e a competitividade do agronegócio. “Estamos falando de um setor que corresponde a cerca de 24% do PIB nacional, ou seja, sua eficiência é fundamental na macroeconomia do país”. É a logística que permite que os produtos agrícolas sejam armazenados, transportados e distribuídos de maneira rápida, segura e eficiente.

Marcelo Zeferino lembra que além do escoamento de grãos, carnes bovinas, aves e suínos, a logística faz o transporte de toda uma cadeia produtiva do setor, como máquinas e insumos agrícolas, defensivos e fertilizantes, rótulos e embalagens, nutrição e saúde animal, além de produtos tecnológicos, de pesquisa e desenvolvimento que muitas vezes precisam de um transporte emergencial e personalizado.

 “Muitas vezes são cargas pequenas, como amostras de moléculas para pesquisa na agricultura, mas que possuem um alto valor agregado e por isso demandam uma logística emergencial ágil, segura, com 100% de rastreabilidade, geralmente feita pelo modal aéreo com fretamento de aeronave”, explica o especialista Marcelo Zeferino, chief commercial officer da Prestex, empresa especializada em logística emergencial B2B.

 Os drones também estão entre os equipamentos mais transportados para o campo, usados para mapear plantio, rebanhos, clima e outras informações estratégicas. De acordo com dados do Sistema de Aeronaves não Tripulada (Sisant), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), dos 140 mil drones registrados no País, cerca de 5,2 mil são drones agrícolas. O número é 375% maior do que há dois anos, quando havia pouco mais de 1,1 mil equipamentos.

 RASTREAMENTO – As empresas de logística vêm investindo em novas tecnologias para integrar as estratégias de rastreabilidade e visibilidade, reduzindo riscos e aumentando a eficiência operacional no transporte para o setor agrícola. A Prestex, empresa referência em logística emergencial aérea B2B, por exemplo, foi uma das pioneiras no país a ter um APP de rastreamento de cargas também utilizado para o agronegócio. O sistema, iniciado em 2009, permite que o cliente visualize 24h por dia e em tempo real todas as etapas de sua carga via APP, computador ou tablet.

“O processo é realizado com ferramentas de tecnologia avançada e RFID, além de outros dispositivos que informam em tempo real a localização da carga, alertas de movimentação, alteração de temperatura (no caso de moléculas) controle de velocidade, alerta de desvio de rota, indicadores de falhas e previsão precisa de entrega”, finaliza Marcelo Zeferino.

 

 

Compartilhe este artigo
Segue:
Biografia Assessora de Imprensa, Especialista em Comunicação Corporativa, Media Training, Edição de Revistas, Relatórios de Sustentabilidade e Projetos Especiais.