4 dicas de tecnologia para uma Black Friday bem-sucedida

Osmar Gomes*

O varejo brasileiro tem uma grande expectativa em relação à próxima Black Friday. A empresa de soluções de inteligência Neotrust está projetando um aumento de 12,6% nas vendas, em comparação com 2022. Além disso, os estabelecimentos também esperam um crescimento no tíquete médio.

Para proporcionar as melhores experiências de compra, a tecnologia se torna cada vez mais aliada do varejo e dos consumidores. De fato, a Black Friday se tornou uma experiência digital e as aplicações e soluções desempenham papel crucial para o sucesso das empresas durante este período.

O que pode ser melhorado para uma temporada bem-sucedida na Black Friday? Abaixo, um check-list para que as empresas possam tirar o máximo de proveito e incrementar as vendas:

  1. Websites e aplicativos: devem estar bem projetados para tornar a navegação e a compra mais fáceis. Também precisam se manter no ar e com uma boa velocidade de navegação, para que não haja comprometimento da experiência do cliente. Uma boa sugestão é optar por plataformas escaláveis e em nuvem, que possam ser programadas para receber maior tráfego em datas importantes para o comércio, como a Black Friday.

Uma estratégia interessante é garantir que a experiência de compra seja uniforme em todos os canais (loja física, sites, aplicativos etc.). Isso garante que os clientes sejam beneficiados seja qual for a escolha de acesso aos produtos disponíveis.

  1. Segurança: o período de vendas de novembro traz muitas oportunidades de golpes e falhas de segurança. Os varejistas precisam estar ainda mais preocupados com a segurança dos dados de seus clientes, já que esta também é uma responsabilidade das empresas. Para isso, uma dica valiosa é utilizar certificados SSL, otimizar as medidas de segurança contra ataques e sempre manter os softwares atualizados em todos os dispositivos. A cultura de segurança deve estar madura, de forma que todos os colaboradores tenham cuidado redobrado com o que acessam e em quais links clicam.

Também é fundamental manter-se nas normas da Lei Geral de Proteção de Dados e tratar as informações dos clientes de forma ética e cuidadosa. Dessa forma, ambos só têm a ganhar.

  1. Personalização: plataformas digitais permitem que as empresas personalizem ofertas e recomendações com base no histórico de busca e compras, o que torna as promoções mais eficazes e a experiência de compra bem-sucedida. Muitos clientes esperam por ofertas de produtos que desejam comprar e conduzi-los a uma gama de itens que estejam aliados às suas expectativas é fundamental para conquistar a venda, em um ambiente profundamente competitivo. Algoritmos de recomendação também são uma boa ferramenta para sugestão de produtos relacionados às compras já realizadas pelos clientes. Esta tática pode incentivar novas compras.
  2. Programas de fidelidade: é uma boa ideia oferecer recompensas e descontos exclusivos aos clientes que estão inscritos em programas de fidelidade, além de incentivar novos consumidores a se cadastrar nos mesmos. Dessa forma, a empresa pode incentivar novas compras em outros momentos do ano.

Após o evento da Black Friday, o trabalho de personalização e fidelidade devem continuar. Muitos clientes apreciam a conexão com suas marcas favoritas por intermédio de emails de acompanhamento e sugestões de produtos relacionados ao seu perfil de consumo.

Com essas etapas em mente, a experiência da Black Friday se tornará mais bem sucedida e rentável. Lembre-se que, além do aumento nas vendas, esta época do ano é uma excelente oportunidade para fidelizar clientes.

Osmar Gomes é Diretor de Desenvolvimento e Novos Negócios da E-Deploy

Compartilhe este artigo
Segue:
A ImprensaBr é um portal de notícias que fornece cobertura completa dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo.
Deixe um comentário